fertilidade

Gravidez de alto risco – conheça os fatores

Gravidez de alto risco – conheça os fatores

Tudo sobre gestação e maternidade 28 de julho de 2015, ivan, 0 Gravidez de alto risco é aquela onde existem fatores que podem colocar em risco a vida ou a saúde da mãe, do feto ou do recém-nascido.
É durante o pré-natal que o médico vai estabelecer qual o grau de risco da gestação. Esta definição pode ocorrer em qualquer etapa da gravidez, mas fundamentalmente ele deve ser definido de maneira precoce, para que se coloque em prática as medidas necessárias de acompanhamento.Veja a seguir os fatores de risco divididos por categorias:Sócio-demográficos:

livro-segredos-da-fertilidade

Idade maior que 35 anos;

Idade menor que 15 anos ou primeira menstruação há menos de 2 anos;

Altura menor que 1,45 metro;

Peso pré-gestacional menor que 45kg ou maior que 75kg (IMC30);

Anormalidades estruturais nos órgãos reprodutivos;

Situação conjugal insegura e Conflitos familiares (relativo);

Baixa escolaridade ou Condições ambientais desfavoráveis (relativo);

Dependência de drogas lícitas ou ilícitas;

Hábitos de vida – fumo e álcool;

Exposição a riscos ocupacionais: esforço físico, carga horária, rotatividade de horário, exposição a agentes físicos, químicos e biológicos nocivos, estresse.História de gravidez anterior:

Aborto repetido;

Morte durante gravidez explicada e inexplicada;

História de recém-nascido com crescimento restrito ou malformado;

Parto prematuro anterior;

Esterilidade/infertilidade;

Intervalo entre partos menor que dois anos ou maior que cinco anos (relativo);

Primeira gestação ou muitas gestações (relativo);

Síndrome hemorrágica ou hipertensiva;

Diabetes gestacional;

Cirurgia uterina anterior (incluindo duas ou mais cesáreas anteriores).Doenças prévias:

Hipertensão arterial;

Doenças cardíacas;

Doenças pulmonares;

Doenças renais;

Doenças endócrinas (principalmente diabetes e doenças da tireóide);

Doenças hematológicas;

Epilepsia (crises convulsivas);

Doenças infecciosas;

Doenças autoimunes;

Doenças ginecológicas;

Neoplasias;

Exposição indevida ou acidental a fatores teratogênicos.Doenças da gravidez:

Desvio quanto ao crescimento uterino, número de fetos e volume de líquido amniótico;

Trabalho de parto prematuro e gravidez prolongada;

Ganho de peso inadequado;

Pré-eclâmpsia e eclâmpsia (Hipertensão arterial);

Diabetes gestacional;

Ruptura de bolsa prematura;

Hemorragias da gestação;

Insuficiência istmo-cervical;

Aloimunização;

Doenças infectocontagiosas vividas durante a presente gestação (Infecções urinárias, doenças do trato respiratório, rubéola, toxoplasmose etc.);

Doenças clínicas diagnosticadas pela primeira vez nessa gestação (cardiopatias, doenças endócrinas).Hipertensão arterial (Pressão alta):
A hipertensão arterial é uma as doenças mais presentes durante a gravidez. Ela pode desencadear complicações fatais para o bebê e para a mãe. O seu acompanhamento e o seu controle são fundamentais para uma gestação saudável.Definição:

Pressão arterial maior ou igual que 140 x 90 mmHg (“14×9”) baseado em duas medidas. Além disso, a presença de proteínas aumentadas na urina, diminuição de plaquetas e elevação de enzimas do fígado podem sugerir a síndrome hipertensiva.Hipertensão transitória: A pressão retorna ao normal em até 12 semanas após o parto.Hipertensão Crônica: Presente antes da gravidez, ou antes de 20 semanas de gestação, ou diagnosticada na gestação mas que não se resolve em até 12 semanas.Pré-eclâmpsia/Eclâmpsia: Síndrome grave, com grande risco para vida, com eventual indicação de antecipação do parto. Pode cursar com ganho rápido de peso, edema de face, proteínas aumentadas na urina, hipertensão, dor de cabeça, alterações visuais, dor abdominal, diminuição de plaquetas, sangramento vaginal e crise convulsiva.
Em caso, de apresentar algum dos sintomas acima, associados a pressão alta, procurar o hospital imediatamente.Sangramentos vaginais:Primeira metade da gravidez:

Abortamento;

Gravidez ectópica;

Neoplasia trofoblástica gestacional benigna (mola hidatiforme);

Descolamento corioamniótico.Segunda metade da gravidez:

Placenta prévia;

Descolamento prematuro da placenta;

Rotura uterina;

Vasa prévia.Outras causas menos frequentes:

Cervicites;

Pólipo endocervical;

Ectrópio;

Câncer de colo uterino;

Trauma vaginal;

Sangramento do colo durante o trabalho de parto na segunda metade da gestação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s